29 novembro 2014

Renovação



Deixem amigos que o vento leve
As folhas mortas no inverno
Deixem nas ir que será eterno
Todo o tempo que as deteve!
Deixem nas ir que será breve
A passagem pelo inferno...
E mantenham coração terno
Porque todo aquele que se atreve
A renascer no que o amor gera
Sempre alcança a Primavera!



28/11/2014
Joaquim Antero Oliveira

08 novembro 2014

Dueto de Emoções Sonhadas


Meu coração achou o teu,
No vasculho de outras buscas
De tão longas estradas empoeiradas
Ele se encantou com o teu...
Tão remexido de tormentos
Enlameado de fajuto amores
E te colheu...


Me acolheu, 
Quando eram brisas que procurava
Nessas tardes outonais
E sem saber já te amava
No tormento dos meus ais...

E do brilho se fez canto
E de todo seu encanto
Me enamorei...
E seguimos de mãos dadas
Em rituais com o destino
Em que todo desatino
Se esvaiu...

Ousei e o medo ruiu!
E nem as poeiras que reinavam
Me desviaram do caminho
Pois esse acolhimento de carinho
Era o que nossos corações almejavam


Num entrelaçar de dedos
Nossos corpos conversavam
E nossas almas em prelúdio
De amores se entendiam
Horas amavam, hora riam...
De tamanha explosão de acontecimentos...


E enquanto se extinguia
A quente luz do dia
Em nossos corpos se escrevia
Os versos que com ousadia
Se faziam em duplas vidas,
Perdidas, agora encontradas!


08/11/2014
Joaquim Antero Oliveira

02 novembro 2014

Dir-te-ia


Dir-te-ia mil coisas
Sobre aquilo que nem sei
Mas morreria se tais coisas
Te negassem o que sonhei
Dir-te-ia as mil cores
De tudo o que já ousei
Mas seriam mil as dores
Se não falasse do que amei
Dir-te-ia que te amo, talvez...
E das horas em que desesperei...
Mas entenderias os porquês
Daquilo que não falei?


Joaquim Antero Oliveira

25 outubro 2014

Por nós a conspirar


Vou pintar um sonho
Com versos que não escrevi
Aqueles que somente,
A pensar, me atrevi!
E se daí, um poema resultar
É porque muito mais houve 
Que uma simples brisa...
Por nós a conspirar!


25 / 10 2014
Joaquim Antero Oliveira

Dueto escrito a viver

Joaquim Antero Oliveira

Diz-me que luas te vestem
E em que mares navegaste
Diz-me o aroma dos teus lábios
E as brisas do teu coração
Mostra-me o horizonte
Que hei-de navegar
Ou então, faz-me sonhar!
Escreve o que meus dedos não ousam...
E completa esta ânsia de ser...
Melodia que todos ouçam
Num dueto, escrito a viver!


25/10/2014
Joaquim Antero Oliveira

13 outubro 2014

Teus olhos a sorrir



Quando chega a noite tão serena, 
Finalmente fico em paz... 
Mas preciso escutar a tua voz!
E para ser plena, essa paz...
Era preciso cortar o silêncio
Entre nós!
Mas não cortarei as flores no jardim...
Regalas-ei para que floresças para mim!
E um dia quando o sol nascer
E meus olhos abrir
Terei, se o merecer
Teus olhos a sorrir!


12/10/2014
Joaquim Antero Oliveira

23 setembro 2014

Há momentos


Há luas que vestem as noites de prata 
E perfumes que me vestem os sonhos 
Há lembranças tuas nos meus olhos
E uma tristeza, nos teus, que me mata!
Há momentos em que perco a calma 
E os lamentos florescem... 
Há momentos em que me despem a alma 
E com sorrisos a rejuvenescem!
E, ainda que nos meus não floresçam... 
Mil sorrisos em teus olhos semearei 
Para que em teu coração sempre cresçam 
Todos os sonhos que contigo sonhei!


23/09/2014 
Joaquim Antero Oliveira


26 abril 2014

Há tanto para desfrutar


Esconde-se a luz
Para lá das nuvens no céu
Sua falta é uma cruz
Porque tanta gente morreu
Mas mesmo nessa ausência
Há tanto para desfrutar!

26/04/2014
Joaquim Antero Oliveira


12 março 2014

Sentindo




Já te sinto invadindo-me o corpo
Como quem conhece meu querer
Já te sinto porque não estou morto
E é sentindo, que vale a pena viver!




Joaquim Antero Oliveira