19 novembro 2010

Lápis de grafite

 

Sob os meus dedos mantenho

Um pequeno lápis cuja grafite

Revela em palavras ou num desenho

Tudo o que minha alma transmite

 

Pode ser um simples texto ou poesia

Uma paisagem ou desenho abstracto

Pode até ter a frescura da maresia

Pode ser tudo ou nada de facto

 

Por vezes desliza sobre o papel

Sem saber o caminho a seguir

Mas sempre deixa um rasto de mel

 

Pois tudo o que desejo ardentemente

Quero transmitir-te eternamente

Para que sempre vivas a sorrir!

 

Autoria de:

J. Antero Oliveira